» » Como trabalhar com alguém que você odeia

Como trabalhar com alguém que você odeia

postado em: Artigos | 0

Trabalhar com alguém que você odeia pode ser dispersivo e exaustivo.  Idiotas convencidos, reclamões crônicos ou sujeitos insuportáveis podem afetar negativamente seu desempenho. Em vez de se focar no trabalho, você acaba gastando tempo e energia tentando controlar suas emoções e gerenciar o comportamento da outra pessoa. Felizmente, com a tática certa, você ainda pode ter uma produtiva relação profissional ao lado de alguém que você não suporta. Veja a seguir algumas dicas para melhorar seu ambiente de trabalho.

O que dizem os especialistas

Como trabalhar com alguém que você odeia

Se você trabalha com alguém que não gosta, acredite, não é o único. O detestado colega de trabalho é um arquétipo comum. Robert Sutton, professor de gerenciamento de ciência e engenharia da Universidade de Stanford, diz que isso é parte da condição humana. “Sempre haverá alguma pessoa – seja um parente, amigo, vizinho ou colega de trabalho – que não queremos por perto“, diz. Evitar pessoas que você não gosta é geralmente uma tática eficaz, mas nem sempre possível em um ambiente de trabalho. “Algumas pessoas estão lá, quer você goste ou não“, observa Daniel Goleman, diretor do Consórcio de Pesquisa sobre Inteligência Emocional e Organizacional da Universidade Rutgers. Na próxima vez em que você se encontrar na situação de querer fuzilar aquela pessoa insuportável no escritório, considere os conselhos abaixo.

Gerencie sua reação

Suas reações às atitudes daquele odiado colega de trabalho podem ir de um pequeno desconforto à completa hostilidade.  Goleman diz que o primeiro passo é controlar isso. Ele sugere que, quando há alguém irritante incomodando, não pense em como a pessoa age, pense em como você reage. É muito mais produtivo concentrar-se em seu próprio comportamento, porque é algo que você pode controlar. Para aprimorar essa atitude, Goleman sugere que você pratique exercícios de relaxamento diariamente. “Isso irá ampliar a sua habilidade de lidar com stress, o que significa que aquela pessoa irritante não será mais tão irritante para você“, diz.

Mantenha o descontentamento para si próprio

Enquanto trabalha com seu desafeto, evite a tentação de disseminar seu mau humor entre outros colegas. Não pare alguém no café para dizer: “O Almeida é um sujeito insuportável, não acha?“.  Sutton ressalta que todos nós temos uma tendência a buscar confirmação de nossas opiniões, mas você deve resistir bravamente a ela.  “Pelo fato das emoções serem tão contagiantes, você pode arruinar o dia de qualquer um“, diz Sutton. Além disso, reclamar sobre alguém no seu escritório pode se voltar negativamente contra você. Corre-se o risco de gerar uma reputação pouco profissional e ser rotulado como alguém intolerante. Se acha que precisa desabar, escolha o ‘ombro amigo’ cuidadosamente entre sua rede de contatos. De preferência uma pessoa de fora da empresa.

Considere se o problema é você

Se para todo lugar aonde vai sempre tem alguém que você odeia, isso é mau sinal
Uma vez que você consiga analisar suas reações, pense sobre o que é que você não gosta naquela pessoa. Existe algo específico nela que te tira do sério? Será que ela é apenas diferente de você? Ela lembra alguém de quem você não gosta? Você gostaria de ter o cargo dela? Ciúmes e outras emoções negativas podem atrapalhar nosso julgamento e avaliar mal as pessoas. “Quando alguém faz um trabalho melhor do que o nosso, tendemos a desprezar essa pessoa“, diz Sutton. As diferenças podem nos tornar tendenciosos. “Nosso modelo ideal de pessoa somos nós mesmos. Quanto mais diferente uma pessoa é de nós, mais propícios estaremos a reagir negativamente a ela“, explica. Concentre-se no comportamento, e não nos detalhes que irritam você; isso irá ajudá-lo a discernir os estereótipos da antipatia real. “Comece com a hipótese de que a pessoa está fazendo coisas que você não gosta, mas é uma boa pessoa“, ensina Sutton. Ao entender o que está lhe incomodando, você será capaz de ver sua parte da culpa também. “É razoável assumir que você é parte do problema“, diz Button. Seja honesto consigo mesmo sobre a parte que lhe cabe. E esteja atento a certos padrões. “Se para todo lugar aonde vai sempre tem alguém que você odeia, isso é mau sinal“, alerta Sutton.

Passe mais tempo com eles

Uma das melhores maneiras de gostar de alguém que você não gosta é trabalhar com essa pessoa em um projeto que exija coordenação“, explica Sutton. Isso pode parece incoerente, uma vez que a sua vontade é sair da sala gritando sempre que a pessoa está lá. Mas ao trabalharem juntos vocês podem se entender melhor e, talvez, até desenvolver uma empatia. “Podemos até sentir pena em vez de irritação“, diz Goleman. Você pode descobrir que há razões para esse comportamento: Problemas em casa, pressão do chefe ou, talvez, uma tentativa falha de realizar uma tarefa. Passar mais tempo com seu ‘inimigo’ garantirá a oportunidade de ter mais experiências positivas. Mas antes de cair de cabeça em algum projeto em conjunto, lembre-se de que há uma exceção: “Se a pessoa em questão é alguém que viola o seu senso de moral, fugir dela não é má ideia“, complementa Sutton.

Forneça feedbacks

Se nenhuma das dicas anteriores funcionarem para você, considere fornecer ao seu colega alguns feedbacks. Pode ser que aquilo que incomoda você seja algo que lhe atrapalhe profissionalmente. “Não presuma que as pessoas saibam que estão incomodando“, diz Sutton. Claro, você não deve sair falando tudo o que te irrita. Concentre-se nas atitudes que a pessoa pode controlar e descreva como isso impacta em você e como podem trabalhar melhor juntos. Se fizer isso corretamente, você pode ajudar a aumentar a eficiência.

Mas proceda cautelosamente. Goleman diz que o feedback “depende do seu talento como comunicador e do quão receptiva a pessoa em questão é“. Se sentir que ela está aberta à conversa e vocês podem ter um diálogo focado nos problemas profissionais, vá em frente. Mas se a pessoa for mesmo revanchista e encrenqueira, como você suspeita, ou teme que isso se transforme em conflito pessoal, não arrisque. “O perigo de se dar feedback emocional é que a pessoa leva para o lado pessoal e situação só piora“, diz Goleman. Você também precisa estar pronto para ouvir um feedback sobre si próprio. Se você não gosta daquela pessoa, há fortes chances de que ela também não goste de você.

Adote a atitude do ‘tô nem aí’

Em situações onde você está literalmente travado e não pode dar feedbacks, Sutton recomenda praticar a “fina arte do desapego emocional e mandar um ‘dane-se’ pra tudo“. Ao ignorarmos comportamentos irritantes, neutralizamos os efeitos deles em nós. “Se o sujeito está sendo um pé no saco, mas você não se deixa atingir, então não há problema“, explica Goleman. Este tipo de reenquadramento cognitivo pode ser eficaz em situações onde você tem pouco ou nenhum controle.

Princípios para lembrar

O que fazer:

  • Gerencie primeiramente sua própria reação ao comportamento alheiro;
  • Pratique o desapego emocional, assim o comportamento da outra pessoa não vai lhe incomodar;
  • Gaste um tempo tentando conhecer melhor a pessoa e entender o que a motiva.

O que não fazer:

  • Achar que tudo é culpa daquela pessoa – você tem uma parte da culpa;
  • Reclamar com os outros que podem ser injustamente influenciados pela sua negatividade e podem julgá-lo pelas suas opiniões;
  • Dar feedback a menos que você possa se focar em problemas profissionais e evitar conflitos pessoais.

E você? Trabalha ou já trabalhou com alguém que odiava? Como foi? Conte sua história e compartilhe sua experiência nos comentários abaixo.

Veja mais dicas bacanas aqui:

Comente pelo Facebook

comentários

Seguir Emílio Calil:

Editor, Consultor e Palestrante

Jornalista, designer e consultor com mais de 15 anos de experiência em diversos ambientes de trabalho – de agências de propaganda a multinacionais como a Microsoft. Acredita que as pessoas devem fazer o que amam para serem felizes e produtivas, e para isso oferece métodos e projetos que ajudam tanto empresas quanto pessoas. Apaixonado por tecnologia, games e pela cidade de Gramado.
www.emiliocalil.com | emilio@lifebreak.com.br

Participe deste assunto! Deixe seu comentário abaixo: