» » Alerta: Fazer o que você ama pode salvar sua vida

Alerta: Fazer o que você ama pode salvar sua vida

postado em: Artigos | 0

“As forças naturais dentro de nós são a verdadeira cura das doenças.”

— Hipócrates

Eu acredito que trabalhar com o que se ama nos torna felizes e saudáveis.

Mas muitas pessoas ainda desperdiçam suas vidas com stress, ansiedade e desespero por causa do tempo perdido na maior parte das horas de trabalho. Cerca de 80% do mundo vive dessa forma (o LifeBreak surgiu para diminuir esse número).

Apesar dessa constante dor e frustração, encontramos desculpas para adiar a mudança por mais um dia. Um dia que se torna um ano; um ano que dura para sempre.

Mas como veremos a seguir, existem sérios riscos de adiar uma mudança que você sabe ser extremamente necessária.

Qual o maior desses riscos? Sua vida.

Sim, existem evidências médicas e científicas de que trabalhar com o que você não gosta pode realmente diminuir seu tempo de vida.

Então, para você que está nessa zona de risco ou conhece alguém que esteja, espero oferecer uma mensagem de alerta e peço que me ajude a espalhá-la.

Vejamos as descobertas da Dra. Lissa Rankin (lissarankin.com), nos Estados Unidos. Ela notou que suas prescrições não estavam ajudando muito as pessoas e, então, se empenhou em descobrir por que alguns pacientes tinham curas milagrosas enquanto outros permaneciam doentes, mesmo com os melhores cuidados médicos. Ela pesquisou inúmeras publicações e dados de algumas das instituições médicas mais conceituadas do mundo, incluindo Stanford e Johns Hopkins.

O que Lissa descobriu reforça o que o LifeBreak vem afirmando desde sempre.

Divirta-se!
Divertir-se com amigos é tão importante quanto fazer exercícios.

Dietas e exercícios, apesar de importantes, não estão no topo da lista. O que é importante, então? Coisas como passar um tempo com amigos, dar risada, a saúde do seu casamento e – adivinhe? – trabalhar com algo que realmente lhe satisfaça e empolgue.

Ela não encontrou citações vagas ou hipóteses, mas evidências médicas provando essa análise. E publicou um livro nos EUA (sem previsão de lançamento por aqui) chamado Mind Over Medicine: Scientific Proof That You Can Heal Yourself (Mente Sobre a Medicina: Provas Científicas De Que Você Pode Curar a Si Mesmo).

Hoje Lissa dedica seu tempo à medicina ‘mente-e-corpo’ para ajudar os pacientes a desempenhar um papel mais ativo na cura de si mesmos e treinar novos médicos para utilizarem a cura ‘mente-e-corpo’.

Acredito que em muitos casos o “impossível” é um estado de espírito. E o projeto de Lissa coloca isso à prova.

Vamos ver algumas de suas descobertas:

Você odeia seu trabalho? Cuidado, sua vida está em perigo!

Você provavelmente sabe que ter um emprego ‘nocivo’ que lhe estressa e suga sua alma não é benéfico. Lissa observou esse stress nela mesma e em seus pacientes, o que considerou um veneno que se traduziu em sintomas físicos. Sim, você já sabe disso. Pessoas que tiveram enxaqueca ou dor nos ombros após uma péssima reunião ou crítica do chefe confirmam isso.

Mas sabia que esse stress no trabalho pode matar você?

No Japão há uma palavra para isso – karoshi – que significa “morte por excesso de trabalho”. O karoshi ocorre geralmente com as pessoas mais novas – pessoas saudáveis que estão queimando rápido seu pavio em um péssimo ambiente de trabalho.

O primeiro caso de karoshi foi relatado em 1969, quando um trabalhador morreu de enfarte aos 29 anos. Mas foi somente em 1987 que o Ministro do Trabalho do Japão começou a coletar estatísticas do karoshi. Desde então estima-se que aproximadamente 10 mil casos ocorrem a cada ano – dizem que o número de karoshis supera o de mortes no trânsito. Quando foi a última vez que seu médico recomendou “diminuir o stress do trabalho” em sua consulta de rotina?

O que acontece fisiologicamente quando uma pessoa morre de karoshi?

O karoshi não é uma única doença. É um conjunto de mudanças fisiológicas induzidas por stress que resultam em um AVC (acidente cardiovascular), provavelmente causado pela repetição da estressante resposta de “lutar ou fugir”, o que ativa o sistema nervoso, aumenta a pressão arterial e frequência cardíaca e sobrecarrega o sistema cardiovascular.

Antes de morrer, a maioria das vítimas de karochi reclama de tonturas, náuseas, fortes dores de cabeça e de estômago. Em 95% dos casos de karoshi, a morte ocorre 24 horas após um conjunto desses sintomas surgir, apesar de pequenos sintomas precederem os mais graves. Se você está estressado no trabalho, esses sintomas lhe parecem familiares? Cuidado! Este é o seu corpo alertando que seu trabalho está prejudicando sua saúde.

Morte por excesso de trabalho fora do Japão

Não são apenas os japoneses que estão trabalhando até a morte. Embora a maioria dos dados de karoshi venha do Japão, os Estados Unidos não ficam muito atrás nessa categoria.

Um estudo mostrou que um entre cinco americanos vai trabalhar mesmo quando está doente, machucado ou quando tem consulta médica no dia. O mesmo tipo de obsessão pelo trabalho faz com que um terço dos norte-americanos não usem o período de férias acumuladas. Essa falha ao usar os dias de férias foi comprovada como predisposição à morte prematura.

Outro estudo no ano 2000 acompanhou 12 mil homens por nove anos e descobriu que aqueles que não tiravam férias anuais corriam 21% a mais de risco de morte, e eram 32% mais propensos a sofrerem um ataque cardíaco fatal.

A morte prematura não é a única coisa que o stress pode causar. Outro estudo recente revelou que empregados descontentes e sobrecarregados desenvolveram doenças cardíacas numa taxa 79% mais alta do que as pessoas que gostam de seus trabalhos.

E há custos financeiros para toda essa exaustão! O New York Times relata que os problemas de saúde relacionados ao stress no trabalho custa à economia americana US$ 200 bilhões por ano – mais ou menos o custo do estragos causados pelo Furacão Katrina.

E embora o Brasil ainda não registre números tão altos como os do Japão e EUA, parece que estamos nos esforçando para chegar lá, visto que a Síndrome de Burnout já afeta 30% dos brasileiros.

É uma epidemia que só afeta… você.

Como um trabalho nocivo afeta seu corpo

Stress no trabalho
O stress no trabalho reduz todas as defesas naturais do corpo e pode levar à morte.

Provavelmente você sabe que o stress não é bom. E provavelmente sabe que se odeia seu trabalho, qualquer redução de stress é um ganho. Mas você sabe realmente como esse stress prejudica seu corpo?

Vamos lá. Seu chefe grita quando você não fez nada errado e isso te irrita. Ou você está na bolsa de valores ou no fórum gritando até seu rosto ficar vermelho. Ou você fica acordado a noite toda querendo terminar um trabalho, mas está exausto. Ou alguém rouba sua ideia e não lhe dá o crédito. Ou seu trabalho exige que você faça algo contra seus princípios – e quando consegue, sente que vendeu sua integridade.

Você fica quieto quando deveria falar. Você não encontra forças para fazer a mudança que sabe ser necessária. Você está tentando agradar um escritório cheio de narcisistas. Ou [descreva aqui seu problema].

Não importa a causa do stress. Tudo o que importa é que seu cérebro interpreta isso como “AMEAÇA!” e dispara o alarme para você saber que está em perigo.

A resposta psicológica de “lutar ou fugir” do stress é ativada, despertando seu sistema nervoso, expondo cada célula a hormônios nocivos de alerta, como cortisol e adrenalina, elevando seu batimento cardíaco e pressão sanguínea e – o pior de tudo – desativando os mecanismos de proteção natural do seu corpo, aqueles que matam células cancerígenas, combatem infecções, repõem proteínas, reduzem o envelhecimento e te fazem viver cem anos.

Solução: A resposta do relaxamento

Felizmente, seu corpo tem um contrapeso natural para a resposta ao stress potencialmente nocivo, que o Dr. Herbert Benson chamou de “resposta de relaxamento” na década de 1970. A resposta de relaxamento desliga a resposta ao stress, ativa o sistema nervoso parassimpático, e aciona os mecanismos de auto-reparo do corpo de modo a permitir que ele faça o que faz melhor – curar a si mesmo.

O poder de fazer o que você ama

Trabalhe com o que você ama
Fazer aquilo que você gosta diminui o stress e aumenta a produtividade.

Se você acha que o stress do trabalho pode estar colocando sua saúde em risco, o que pode fazer?

Bem, você já começou a fazer o que o médico recomendou se lê o LifeBreak frequentemente, nos segue no Twitter e Facebook, coloca nossas dicas em prática e está inspirado para largar esse emprego horrível e começar a fazer o que ama.

Como se vê, a maneira mais eficaz para melhorar a saúde do seu corpo é reduzir as respostas ao stress.

Um profissional hoje tem em média 50 respostas ao stress por dia. Mas quando você está fazendo o que ama, com um sentimento de missão e propósito, ajudando outras pessoas com seu trabalho, em alinhamento com a sua integridade, com uma sensação de poder pessoal em um negócio próprio, trabalhando com pessoas que admira e expressando seus dons criativos, você naturalmente tem menos respostas ao stress – e os mecanismos de auto-reparo do corpo podem agir como devem.

Mas e se você não puder se demitir de seu emprego horrível?

Ainda não consegue sair do seu cubículo ou está algemado à mesa? Não se preocupe, você pode começar o relaxamento agora – antes de se demitir.

Para prevenir a morte por excesso de trabalho, você precisa implementar uma estratégia dupla de reduzir a resposta ao stress no corpo enquanto simultaneamente ativa a resposta ao relaxamento.

Para ativar as respostas de relaxamento:

    • • Medite. Você não precisa fechar os olhos e sentar num lugar calmo para meditar. O corpo responde favoravelmente quando tudo o que você faz é escolher uma palavra e repeti-la passivamente enquanto descarta outros pensamentos. Isso significa que você pode ativar as respostas de relaxamento correndo, dirigindo ou fazendo compras.

    • • Ria. Mesmo se não houver nenhum motivo engraçado, o ato de rir aciona a resposta de relaxamento. E você vai se sentir tão idiota que provavelmente rirá de novo.

    • • Brinque com animais. Passar um tempo com seus cães e gatos faz milagres no ato de relaxar e se divertir.

    • • Expresse-se de uma forma criativa. Você não precisa pintar ou tocar um instrumento para obter os benefícios saudáveis da expressão criativa. Montar uma bela mesa de jantar ou exercitar seus dons de jardinagem, entre outras atividades manuais, podem relaxar seu sistema nervoso.

    • • Faça amor. Desnecessárias maiores explicações.

    • • Dance. Mesmo que você seja um péssimo dançarino, monte sua playlist em casa e dance sozinho.

Para reduzir as respostas de stress no trabalho:

    • • Estipule limites saudáveis. Fuja da jornada de 12 horas. Tenha uma conversa franca com seu chefe, mesmo se você for o dono da empresa. Nenhum aumento de clientes e dinheiro valem morrer jovem.

    • • Tire férias. As pessoas que não tiram férias são 32% mais propensas a enfartar.

    • • Mantenha a sua integridade. Se você está vendendo sua alma por um salário, seu corpo irá sofrer.

    • • Faça o que você ama. Quando está motivado pela sensação de propósito e objetivo, seu sistema nervoso relaxa e sua fisiologia responde positivamente.

Em última análise, é tudo uma relação entre as respostas ao stress e as respostas de relaxamento no corpo, por isso, se você não pode reduzir as respostas ao stress, você ainda pode acionar as respostas de relaxamento.

A grande pergunta é: O seu trabalho te faz mal ou você ama o que faz?

Compartilhe suas histórias nos comentários abaixo.

Veja mais dicas bacanas aqui:

Comente pelo Facebook

comentários

Seguir Emílio Calil:

Editor, Consultor e Palestrante

Jornalista, designer e consultor com mais de 15 anos de experiência em diversos ambientes de trabalho – de agências de propaganda a multinacionais como a Microsoft. Acredita que as pessoas devem fazer o que amam para serem felizes e produtivas, e para isso oferece métodos e projetos que ajudam tanto empresas quanto pessoas. Apaixonado por tecnologia, games e pela cidade de Gramado.
www.emiliocalil.com | emilio@lifebreak.com.br

Participe deste assunto! Deixe seu comentário abaixo: